Anderson Rocha tem 7º melhor início entre os técnicos do Independente

Por Edmar Ferreira

O Independente cresceu muito nas mãos de Anderson Rocha. Após um início desastroso no Campeonato Paulista da Segunda Divisão, com duas derrotas, uma por WO para a Itapirense e outra para o Brasilis, em Águas de Lindóia, por 1 a 0, a diretoria galista trocou o comando. Demitiu Augusto Sobrinho e efetivou seu auxiliar. E a decisão foi pra lá de correta.

Logo em sua estreia como treinador, o Independente empatou sem gols com o Comercial, no Pradão. Em seguida perdeu em Jaú para o XV por 1 a 0. Apesar de somar apenas um ponto em dois jogos, a parceria notou uma melhora tática considerável na equipe e decidiu dar mais uma chance ao ex-zagueiro.

A partir daí o que se viu foi uma reação fantástica do Independente na competição. Nos últimos cinco jogos foram quatro vitórias e um empate.

No sábado, o alvinegro venceu o Brasilis por 2 a 0, no Pradão, gols de Giovani, em cobrança de falta no primeiro tempo e João Paulo, de pênalti, na etapa complementar. Ambos são laterais.

Mesmo com a vitória, o Galo segue fora da zona de classificação do Grupo 3, ocupando a quinta colocação com 14 pontos. No próximo domingo encara o líder Comercial, às 10h, no Palma Travassos, em Ribeirão Preto.

A classificação está assim: 1) Comercial 21, 2) Itapirense 18, 3) Francana 17, 4) XV de Jaú 15, 5) Independente 14, 6) Jaguariúna 6, 7) Brasilis 4 e 8) Sãocarlense 0.

História

Com quatro vitórias, um empate e apenas uma derrota, Anderson Rocha é o sétimo treinador com o melhor desempenho inicial na história do Independente.

O atual técnico está atrás apenas de Edson Oliveira, Jorge Parraga, Aníbal, Servilho de Jesus, Badê e Edson Só. O primeiro colocado desta lista é Edson Oliveira, com seis vitórias e uma derrota no Campeonato Paulista de 1981. Álvaro Gaia por exemplo, é o 12º da lista, com três vitórias, três empates e uma derrota.

Dos 70 treinadores da história do clube, 46 deles completaram pelo menos sete partidas. Apenas três deles não perderam nos sete jogos iniciais: Jorge Parraga em 2011 (cinco vitórias e dois empates), Aníbal em 1982 (cinco vitórias e dois empates) e Edson Só em 1999 (quatro vitórias e três empates).

Após sete jogos, os melhores ataques da história do Independente pertencem as campanhas iniciais de 1998 com Gilmar dos Santos e em 1999 com Edson Só, ambos com 15 gols. O pior é o de Oscar Amaro em 1983, com apenas três gols marcados.

A melhor defesa galista da história após sete jogos pertence a campanha de Edson Oliveira em 1981, com apenas dois gols sofridos. Já a pior defesa é do time comandado por Marcos Bruno na Copa Paulista de 2006, com 19 gols sofridos.

*** Foto – Felipe Calicchio

Melhor início é de Edson Oliveira

21/06/1981 – Independente 2 x 0 Barretos
28/06/1981 – Linense 0 x 3 Independente
05/07/1981 – Independente 4 x 0 Lemense
12/07/1981 – Araçatuba 0 x 1 Independente
19/07/1981 – Independente 1 x 0 Tanabi
26/07/1981 – Independente 1 x 2 XV de Piracicaba
02/08/1981 – Corinthians PP 0 x 1 Independente

Os técnicos com melhor início do Galo após 7 jogos

Técnico    VI    EM    DE    GP    GC
1) Edson Oliveira    6    0    1    13    2
2) Parraga    5    2    0    12    3
3) Anibal    5    2    0    10    3
4) Servilho Jesus    5    1    1    11    6
5) Badê    5    1    1    10    4
6) Edson Só    4    3    0    15    5
7) Anderson Rocha    4    2    1    10    3
8) Bidon    4    2    1    11    5
9) Eugênio Bérgamo    4    2    1    11    5
10) Careca    4    2    1    8    4
11) Edson Mariano    4    1    2    9    6
12) Álvaro Gaia    3    3    1    11    7
13) Miro Capelozza    3    3    1    4    4
14) Valeriano Almeida    3    2    2    9    5
15) Ivan Izzo    3    2    2    9    7
16) Airton Diogo    3    2    2    7    5
17) Galdino Machado    3    2    2    7    5
18) Chicão    3    2    2    4    5
19) Toninho Maldonado    3    1    3    14    7
20) Gilmar dos Santos    3    1    3    15    14
21) Zé Maria    3    1    3    6    6
22) Sandro Gomes    3    1    3    11    12
23) José Fescina    3    1    3    6    7
24) Nei Júnior    3    0    4    5    8
25) Carlos Rossi    3    0    4    5    14
26) Claudemir Peixoto    2    5    0    10    6
27) José Luis Soares    2    5    0    7    4
28) Henrique Passos    2    4    1    11    8
29) Abelha    2    4    1    14    13
30) Zé Humberto    2    3    2    8    10
31) Antonione    2    3    2    9    13
32) Roberto Fernandes    2    2    3    11    10
33) Ademir Chiarotti    2    2    3    7    10
34) Geraldo Damasceno    2    1    4    10    9
35) Vagner dos Anjos    2    1    4    6    8
36) Privatti    2    1    4    9    12
37) João Paulo    2    1    4    11    16
38) Fernando Alves    2    0    5    8    16
39) Tonho    1    5    1    4    3
40) Milton Buzetto    1    4    2    6    7
41) Foguinho    1    2    4    5    8
42) Candinho Farias    1    2    4    7    11
43) Paulo César    1    1    5    6    14
44) Walter Zaparolli    1    1    5    4    13
45) Marcos Bruno    1    1    5    9    19
46) Oscar Amaro    0    2    5    3    14

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *