Categorias
Inter de Limeira

Técnico da Inter de Limeira descarta ser auxiliar no Paulistão

Redes Sociais Esportivas

Um treinador jovem, determinado, de fácil comunicação e com os objetivos traçados e muito bem definidos. Rafael Soriano, de 35 anos, não pensa apenas em comandar a Internacional na Copa Paulista. Ele quer ser o comandante do Leão no cobiçado Paulistão do ano que vem.

Apesar de ter contrato apenas até o final do ano, o carioca, que torce assumidamente para o Vasco da Gama, sabe que futebol vive de resultados e que sua continuidade no clube vai depender de uma boa participação do alvinegro na Copa Paulista.

“Vida de treinador é assim mesmo. Os resultados garantem nosso emprego”, frisou.

Em entrevista ao Pimba nos Esportes, Soriano descartou a possibilidade de trabalhar como auxiliar técnico no Paulistão.

“Apesar de jovem, graças a Deus tenho mercado. Mesmo tendo só 35 anos, a Inter é meu 15º clube na carreira. Ser auxiliar nesse momento é bem difícil. Quero dar sequência ao meu trabalho, sendo aqui ou fora. Espero que seja em Limeira”, explicou.

Soriano afirmou que o mercado de São Paulo é o principal do país e que recebeu convites anteriormente. Só não aceitou, por entender que aquele não seria o momento ideal. E também por estar melhor preparado.

“A Inter tem muito nome. A camisa pesa. Sendo assim, estarei abrindo mercado aqui também. Venho de outro centro (Rio de Janeiro) e preciso apresentar um bom trabalho. Espero agradar na Copa Paulista e ser o técnico da equipe no Paulistão. Essa é a minha meta de trabalho”, destacou.

E sobre essa juventude, Soriano lembrou que tem sido uma tendência no futebol brasileiro nos últimos três anos.

“Os clubes têm buscado a renovação e têm surgido bons nomes no mercado. Hoje em dia não importa a idade, se é velho ou novo ou se é brasileiro ou estrangeiro. É preciso ter competência. Se os resultados vieram, ninguém nem vai lembrar da idade do comandante”, justificou.

Bem mais acessível que Elano Blumer, Soriano é fã e amigo de Rogério Ceni. Aliás, afirmou que uma de suas referências na profissão é exatamente o atual comandante do Fortaleza. “Não é pela afinidade que temos, mas ele será um dos melhores treinadores do nosso país. Está no caminho certo”, elogiou.

O novo técnico da Inter tem como principal característica mudar o esquema tático durante as partidas. Foi assim no Americano de Campos/RJ, onde teve números expressivos, chegando a ter inclusive um aproveitamento maior do que Jorge Jesus no Flamengo. E o treinador tem a receita para isso. “É preciso conhecer o elenco a fundo. Saber detalhadamente as características de cada jogador”.

Sobre a Inter, Rafael afirmou que os jogadores que permaneceram do último Paulistão, como Jean Pablo, Oliveira, Daniel Vançam, Bruno Formigoni e Roger Bernardo, serão de fundamental importância na Copa Paulista.

“Eles não precisarão ser testados e poderão ajudar muito os mais jovens. Dos reforços que chegaram, 90% têm entre 21 e 23 anos. Todos estão motivados e querem ser aprovados para o Paulistão. Ou seja, buscam uma oportunidade no clube. É por isso que vejo com bons olhos a nossa participação na Copa Paulista”, comentou.

Soriano adiantou na entrevista que gosta de montar times velozes. “A gente sabe que o torcedor quer ver um futebol bonito. Mas nem sempre é possível, pois o futebol não é uma ciência exata. Mas pode ter certeza, todos os times que formei se tornaram competitivos. Quem possamos vencer, jogando bonito”, garantiu

Até agora, a Inter realizou três jogos-treinos. Venceu o Velo Clube por 1 a 0, no Limeirão, gol de Renan e perdeu para o Capivariano (2 x 0) e para o Primavera de Indaiatuba (1 x 0).

“Os resultados pouco importam. Fiz uma avaliação individual de cada um e coloquei uma formação diferente em cada tempo. A gente tinha o planejamento que a Copa Paulista começaria em setembro. Ou seja, eram apenas quatro semanas de trabalho em que precisaríamos acelerar. Desta forma, o professor Luiz Fernando Bargamin, que hoje não está mais com a gente, trabalhou 12 dias a parte física do elenco e teríamos 10 dias para a parte tática. Como agora a competição começará em outubro, ganhamos esse tempo precioso, até para dar um padrão tático para a equipe. É importante, pois os times das Séries A-2 e A-3, que estão jogando, podem sair na nossa frente”, ressaltou.

Soriano lembrou que a Copa Paulista deste ano será mais curta em razão da pandemia do novo coronavírus.

“Antes, até a final por exemplo, um time fazia cerca de 20 jogos. Hoje estamos com a indefinição de datas e dos clubes participantes. É um ano atípico. Mas temos que focar no nosso trabalho apenas”, disse. A Inter, como nos anos anteriores, utilizará a Copa Paulista como laboratório para o Paulistão.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •